Messi sempre como Destaque sendo um Desafio para o futuro

Com Messi e a perspectiva da Copa do Mundo em solo americano, a Major League Soccer (MLS) encara um desafio esportivo monumental. A trajetória que levou o astro argentino ao Inter Miami em 2023 tem suas raízes em 2007, quando David Beckham fez a mudança do renomado Real Madrid para o modesto Los Angeles Galaxy. O objetivo era dar ao futebol um espaço próprio em um país onde o futebol americano reinava. Naquela época, a MLS contava com apenas 13 times, e sete deles não jogavam em estádios exclusivos para o esporte.

Beckham, um ícone do futebol inglês, não apenas transformou a MLS, mas também gerou uma quantidade significativa de receitas por meio de salários e contratos de patrocínio. Além disso, ele recebeu uma oportunidade única de comprar uma franquia por US$ 25 milhões, excluindo Nova York, quando encerrasse sua carreira. Em 2014, ele utilizou essa opção e o Inter Miami, do qual ele é um dos proprietários, entrou em campo em 2020.

Lionel Messi, o segundo jogador na história da MLS a receber esse benefício, chegou à América com a ajuda de Beckham. Agora, resta saber se o atual campeão do mundo se tornará dono de uma equipe após o término de seu contrato, em 2026. A MLS conta atualmente com 29 clubes, com o 30º programado para entrar em cena em San Diego em 2025.

A escolha dos Estados Unidos como sede da Copa do Mundo de 1994 pela FIFA veio com a condição de criar uma nova liga de futebol, já que a anterior havia falido em 1985. No entanto, a MLS só se concretizou em 1996. Stefan Szymanski, professor de gestão esportiva na Universidade de Michigan, afirma que nos primeiros anos, a MLS enfrentou muitos desafios e esteve à beira do fracasso no início dos anos 2000. Somente com a chegada de Beckham, as coisas começaram a mudar.

Segundo Szymanski, o crescimento notável do futebol nos Estados Unidos nas últimas duas décadas tornou a chegada de Messi quase uma evolução lógica. No entanto, o sucesso do processo dependerá de quanto Messi conseguirá contribuir efetivamente para a liga.

A chegada do astro argentino gerou um grande impacto e trouxe muita atenção para o futebol nos Estados Unidos. No entanto, não está claro até que ponto um único jogador pode mudar o status da liga. A não classificação do Inter Miami para os playoffs permitirá avaliar o impacto de Messi na competição.

Em termos de negócios, a MLS é sólida, com a maioria dos times operando no vermelho, mas as franquias se valorizando significativamente. No entanto, a parte esportiva é um desafio diferente, devido à diferença de cultura esportiva nos Estados Unidos, que se concentra mais no aspecto comercial. O objetivo é maximizar o retorno do capital, e as franquias se valorizam substancialmente, apesar dos déficits operacionais.

A MLS estabeleceu regras rígidas, incluindo um teto salarial, para manter o equilíbrio financeiro. Cada equipe não pode ter uma folha salarial anual superior a US$ 5,2 milhões para seu elenco principal de 20 jogadores. Além disso, equipes podem contratar até três jogadores que ultrapassem esse teto, uma regra introduzida para acomodar a chegada de Beckham.

Apesar dos desafios, a MLS melhorou significativamente em 15 anos, passando de um nível comparável ao da quinta série para um nível mais próximo da segunda divisão italiana. No entanto, consolidar a liga em um patamar elevado em termos de qualidade exigirá um crescimento sustentável das audiências em plataformas de streaming e na

Share this post

PinIt

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    scroll to top
    Instagram
    Tiktok
    YouTube
    YouTube