“Condenada por ser mulher”, afirma Raquel Lyra sobre ataques

Na retomada da Assembleia Legislativa, Álvaro Porto (PSDB) menospreza a governadora de Pernambuco.

No retorno dos trabalhos da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) na manhã de ontem, o foco esperado nos discursos pela harmonia dos Poderes e união pelo desenvolvimento do estado foi ofuscado pelos áudios vazados. Durante a transmissão ao vivo no YouTube da Alepe, o presidente da Casa, Álvaro Porto (PSDB), protagonizou críticas contra a governadora Raquel Lyra (PSDB).

Como oponente decidido, o membro do PSDB ironizou o discurso da governadora ao deixar a tribuna, usando linguagem inadequada. Sua fala gerou repúdio em partidos aliados, no PSDB e, especialmente, na primeira mulher eleita governadora de Pernambuco, Raquel Lyra. A tucana expressou lamento, classificando o episódio como um ato de violência política inaceitável, evidenciando as dificuldades enfrentadas pelas mulheres nos espaços de poder.

A Executiva Nacional do PSDB, por meio de comunicado à imprensa, expressou total solidariedade à governadora. O partido, que defende ativamente o protagonismo feminino na política e em todos os âmbitos de poder, destacou o orgulho de ter eleito uma jovem e competente mulher como governadora de Pernambuco. A sigla afirmou que não tolerará manifestações agressivas contra ela, independentemente da fonte, e mencionou que o Conselho Nacional de Ética e Disciplina está pronto para avaliar possíveis medidas disciplinares contra o deputado.

Álvaro Porto, em sua página no Instagram, reconheceu o uso de uma expressão inadequada ao avaliar o discurso da governadora. Contudo, reiterou suas críticas, expressando indignação e alegando o direito e dever de avaliar e criticar discursos que não correspondam à realidade de Pernambuco.

A indignação expressa por Raquel Lyra, citada por Álvaro Porto, ocorreu devido à lista das ações de sua gestão em 2023, como a reforma administrativa, a redução do IPVA e o programa Pernambuco Sem Fome. Nas redes sociais, a vice-governadora Priscila Krause lamentou o episódio, considerando-o um dia de violência política de gênero.

“Lamentavelmente, a política de gênero está presente todos os dias. Na maior parte de maneira implícita, mas às vezes de maneira explícita, como aconteceu hoje (ontem). Mas nós, como mulheres na política, temos o dever perante todos os pernambucanos, mas especialmente perante todas as mulheres, de seguirmos firmes na luta. Cada vez que uma mulher ocupa um espaço de poder, todas as mulheres ocupam”, afirmou Priscila Krause.

Na entrevista coletiva que Álvaro Porto concedeu após a cerimônia de abertura dos trabalhos legislativos, ele disse esperar que o diálogo proposto por Raquel Lyra não fique só no discurso. Lembrou dos projetos encaminhados em caráter de urgência e da ação de inconstitucionalidade movida pela governadora no STF para anular emendas aprovadas na Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO).

Apesar dos conflitos entre a Alepe e a governadora em 2023 e dos embates iniciais deste ano, Raquel Lyra agradeceu a parceria dos parlamentares, destacando os votos favoráveis em projetos do Executivo. Antes de seu discurso, Raquel estendeu a bandeira de Pernambuco na tribuna, citou nomes presentes e agradeceu a Álvaro Porto pela acolhida inicial na Casa Joaquim Nabuco, sem antecipar o que viria após. “O que me condena é eu ser mulher”, afirmou após o vazamento do áudio.

Share this post

PinIt

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    scroll to top
    Instagram
    Tiktok
    YouTube
    YouTube